Unimed

Unimed Inspira

Voltar para Artigos

Correndo por uma vida melhor

Unimed Inspira

Participantes do grupo de corrida da Unimed Londrina contam como o esporte transformou suas vidas

Elas tinham em comum o fato de estarem com sobrepeso, autoestima baixa e os problemas de saúde comuns de quem leva uma vida sedentária. Há cerca de quatro anos essa história mudou, porque Glaucia e Ruth começaram a participar do grupo de corrida Unimed Inspira, mantido pela Unimed Londrina.

Glaucia Vanessa Milanês, 40 anos, é farmacêutica. Ela conta que, antes de começar a correr, tinha o colesterol alto, gordura no fígado e estava pré-diabética. “Quando fui convidada para participar do grupo achei que não conseguiria, pois estava com sobrepeso”, comenta. A alimentação incorreta e o hipotireoidismo também prejudicavam a saúde de Glaucia, mas com a ajuda do treinador e dos colegas do grupo de corrida ela foi superando os desafios passo a passo. “Fiz o tratamento da tireoide e não parei de correr, e ainda por cima comecei a pedalar com meu marido e um grupo de amigos. De abril de 2017 até agora já perdi 15 quilos”, comemora.

Mais do que perder peso, Glaucia ganhou saúde. Exames recentes mostram que as taxas de colesterol normalizaram, zerou a gordura no fígado, não tem mais pré-diabetes. “Sem falar na minha autoestima, que melhorou muito, e reduzi meu estresse”, comenta.

A melhora na vida de Glaucia acabou inspirando muitos amigos e familiares. “Praticar esporte muda a vida da gente. E a limitação não está no nosso corpo, mas na nossa cabeça. A partir do momento que você decide, você consegue mudar”, comenta.

Persistência gera resultados!

Com artrose no quadril e as dores decorrentes do problema se agravando, a também farmacêutica Ruth Mami Tateiwa Kanai, 49 anos, conta que sua vida mudou radicalmente depois que começou a participar do grupo de corrida Unimed Inspira. “Estava parada havia muito tempo e tinha engordado. Quando meu marido falou do grupo, eu me interessei. E o médico disse que poderia correr, se não fossem longas distâncias”, comenta.

Paralelo ao grupo de corrida, ela fez fisioterapia e musculação (atividade que mantém até hoje). “Perdi aquela massa gorda, ganhei musculatura. Antes, sofria para subir uma rampa e hoje estou com bom condicionamento físico, respiratório, e minha autoestima em alta”, afirma. A artrose também se estabilizou. As dores ainda existem, mas, segundo ela, em menor intensidade.

Ruth é uma das integrantes mais assíduas do grupo de corrida Unimed Inspira. “Só falto quando tenho algum problema que me impeça de verdade. Correr em grupo é muito bom, pois um colega incentiva o outro. A gente sempre procura melhorar nossas marcas”, comenta.

O grupo de corrida se reúne duas vezes por semana às seis horas da manhã, quando faz aquecimento, exercícios de resistência e corre. Ruth diz que, mesmo tendo uma vida corrida, com filho, marido, trabalho, ela não se deixa vencer pela preguiça e pela vontade de ficar mais um pouco na cama. “Se a gente pensar na falta de tempo, a gente não faz nada. E os resultados nos mostram que vale a pena o esforço. Agradeço muito à Unimed por me proporcionar uma experiência tão boa”, diz.