Loading…
teste

Mês Amarelo: importância do combate ao suicídio

A cada 40 segundos, uma pessoa comete suicídio em todo o mundo; o Setembro Amarelo vem com o objetivo de prevenir e conscientizar a sociedade por meio do diálogo

Algumas situações da vida se tornam tão dramáticas para determinadas pessoas que podem avaliar o suicídio como única opção para o fim de um sofrimento. O apoio e o diálogo são fundamentais para superar estes obstáculos e evitar este acontecimento tão grave. De acordo com Organização Mundial da Saúde (OMS) em todo o mundo, uma pessoa se suicida a cada 40 segundos.  Só no Brasil, de 2007 a 2016, cerca de 106.374 pessoas morreram por suicídio, segundo o Ministério da Saúde.

É por isso que o Setembro Amarelo é tão importante, pois tem como objetivo a prevenção ao suicídio e a conscientização, trabalhando e estimulando o diálogo. Desde 2015, o mês amarelo atua com esse grande propósito, mostrando às pessoas fragilizadas que elas não se encontram sozinhas, podendo haver outras soluções para os seus problemas.

Idealizado pelo Centro de Valorização da Vida (CVV), o Setembro Amarelo foi escolhido por ser o mês do Dia Mundial para Prevenção do Suicídio, comemorado em 10 de setembro. Essa data foi estabelecida em 2003 pela OMS.

Os motivos e fatores de risco

O suicídio pode ter diversos motivos. Entre eles está a culpa, a depressão, o remorso, a humilhação, a ansiedade e o medo. De uma forma geral, uma pessoa suscetível ao ato acaba dando sinais dos seus pensamentos.

Além disso, existem alguns fatores de alto risco. É possível destacar:

- Outras tentativas de suicídio;

- Histórico de suicídio na família;

- Uso excessivo de substâncias;

- Carência de relações sociais e familiares;

- Idades entre 15 e 35 anos e mais de 75 anos;

- Doenças que sejam terminais ou incapacitantes;

- Desemprego;

- Divórcios;

- Muito estresse;

- Problemas financeiros;

- Transtornos mentais (depressão e esquizofrenia).

A importância do apoio

O primeiro passo é reconhecer os sinais da pessoa, como comentários; preocupação com a própria morte, expressas de qualquer forma; ou isolamento, por exemplo. A partir disso, é preciso oferecer todo apoio e ajuda para a pessoa, prevenindo qualquer tentativa. Apesar de não existir uma maneira correta de identificar os sinais, é importante estar sempre atento aos avisos. Além disso, é fundamental:

Escutar a pessoa: ouça tudo o que ela tem para falar, mostrando que ela não está sozinha.

Incentivar a busca por uma ajuda profissional: ofereça a sua companhia nessa etapa.

Sempre manter contato: esteja por perto e ofereça seu apoio.

Atentar-se aos casos de crise e possibilidade de tentativa: jamais hesite em buscar uma ajuda profissional com emergência.

É importante destacar o que não pode ser feito quando está próximo de alguém muito fragilizado:

Jamais condenar a pessoa: não critique ou fale que é fraqueza.

Não banalizar os sentimentos da pessoa: isso só cabe a ela. É fundamental evitar qualquer tipo de banalização.

Não dar a sua opinião: dar a sua opinião ou falar que a pessoa está apenas querendo chamar a atenção não ajudam em nada.

Não brigar: é importante que a pessoa não se sinta culpada.

Não falar frases de efeito: frases como “a vida é muito boa” pode gerar sentimento de culpa na pessoa, por pensar que não consegue se sentir melhor em nenhuma circunstância.

A importância do diálogo

Se você está passando por isso e não sabe o que fazer, peça ajuda. Converse com alguém próximo a você sobre a situação, conte o que sente e o que tem passado em sua cabeça. O diálogo, com toda certeza, faz a diferença. Por isso, não tenha medo de pedir ajuda.

Agora, se você não possui ninguém próximo, o Centro de Valorização da Vida (CVV) pode te ajudar. Ligue para 141 ou 188 e converse com um dos voluntários. O atendimento também pode ser feito por chat ou e-mail. Saiba mais, clicando aqui.

Além disso, a Unimed Londrina conta com o atendimento psicológico em sua Clínica Multiprofissional, dedicado a pacientes que buscam melhorar a saúde psíquica e emocional. Para saber mais, ligue (43) 3375-5050 (Opção 1).

O diálogo e o apoio são fundamentais! Está passando por essa situação? Busque ajuda e converse sempre! Conhece alguém nessa situação? Ofereça todo o seu apoio!

Ainda tem alguma dúvida sobre o mês amarelo? Deixe aqui o seu comentário!

Leia também: Fumante passivo: você é um? 


Comentários