Loading…
teste

Como manter a qualidade de vida na terceira idade

Aposentado, karateca conta como a prática de atividade física o ajuda a manter o bem estar físico e psicológico

Aos 71 anos de idade, como você gostaria de estar? A resposta é fácil: todo mundo quer chegar à terceira idade com saúde e qualidade de vida. Porém, para que isso aconteça, é necessário ter hábitos saudáveis desde cedo. O aposentado Tadeu de Oliveira sabe bem disso. Com exatos 71 anos de idade, é um exemplo de comprometimento e vitalidade. Pratica karatê desde 1981, quase que ininterruptamente. Durante um período difícil de sua vida, teve de interromper as atividades, devido a uma grave doença. Diagnosticado com câncer de próstata, passou por cirurgia, sessões de quimioterapia e radioterapia, mas conseguiu vencer a situação.

Recuperado, hoje, são quase 40 anos praticando um esporte que exige muito do corpo e da mente. “No karatê, eu treino 20 katas, cada um tem 20 posições, e a gente tem que memorizar essas posições. Então, isso exige muito da gente, além do exercício físico, também a questão da memória”, explica o atleta. Na arte marcial japonesa, os chamados katas são sequências de movimentos de ataque e defesa, com significados filosóficos, e que são a essência da luta.

Entre os benefícios do esporte, ele destaca diversos aspectos. “É uma higiene mental, um fortalecimento espiritual, físico e tudo. Faz parte da minha vida”, completa Tadeu. Três vezes por semana, ele vai às aulas, que têm uma hora e meia de duração. Encara o exercício como um compromisso sério, principalmente pelo fato de praticar em equipe. “O karatê em si, a academia, é um compromisso que eu tenho. É como assinar o ponto em uma empresa. Sempre tenho que estar lá, senão, não acompanho a equipe, nas partes técnicas, fico para trás”, justifica.

O começo no karatê

Tadeu relata que começou no karatê por influência de um amigo. À época, com 33 anos, nunca tinha ouvido falar de artes marciais, nem praticava nenhum tipo de atividade física. Ele relembra ainda que abusava um pouco da bebida alcoólica e estava acima do peso. “Antes disso, eu não fazia nada. E comecei com o karatê, continuei firme e me surpreendi demais com o resultado. Consegui perder peso e fortalecer muito a musculatura”, explica.

Além disso, o esporte também proporcionou a ele uma mudança de hábitos, tanto em relação ao consumo de álcool, como também à alimentação. Preocupado com a qualidade de vida, passou a se alimentar melhor, cortando gorduras e o excesso de sal, e a consumir alimentos mais saudáveis.

Ao contar sobre o período complicado em que lutava contra o câncer, salienta que, em momento algum, pensou em não voltar a praticar karatê, mesmo com as limitações que o tratamento oncológico trouxe a ele. Questionado se pretende abandonar o esporte algum dia, é categórico. “Acho que se eu parar, eu fico doente. Nem me passa pela cabeça parar. Se eu falto um dia, eu já sinto. Então, enquanto eu estiver de pé, eu vou praticar”, garante ele.

Tadeu, terceiro da esquerda para a direita, na academia onde pratica karatê, com sua equipe de treinamento

Incentivo

O bom exemplo de Tadeu serviu de incentivo também aos familiares. A filha treinou karatê com ele por um tempo e o filho foi praticante de jiu-jitsu. Hoje, os dois continuam fazendo exercícios físicos, no entanto, realizando outros tipos de atividades. Os netos também herdaram os hábitos saudáveis e, atualmente, fazem exercícios como natação e dança.

Como dica aos que pretendem iniciar a prática de atividades físicas, Tadeu ressalta que é necessário perseverança e entender a necessidade de se exercitar regularmente, para garantir uma vida mais saudável no futuro. “Ajuda em tudo, principalmente na parte psicológica. É super importante que as pessoas, antes de chegarem aos sessenta anos, comecem a fazer alguma coisa especial para poder exercitar o corpo, porque a mente da gente vai sofrendo as consequências da idade”, conclui.

A história de Tadeu mostra que é possível mudar de hábitos, em busca de uma vida mais saudável e feliz. Não é necessário esperar para começar a mudança e enfrentar os desafios. Mesmo com todas as adversidades, ele segue extremamente realizado e considera que a prática de exercícios transformou sua vida!

E você? O que tem feito para garantir o bem estar quando o terceira idade chegar? Tem uma história parecida com a de Tadeu? Compartilhe conosco nos comentários!

Leia também: Participante da corrida Unimed Inspira conta como saiu do sedentarismo


Comentários