Loading…
teste

Máscara de tecido: uma ajuda caseira no combate ao coronavírus

Atualização: Em decorrência do COVID-19, o decreto 457 do município de Londrina estabeleceu o uso obrigatório de máscaras pela população a partir do dia 15/04/2020.

Esta obrigação contempla transporte coletivo, atividades laborais, comércio, serviços, dentre outras atividades realizadas em ambiente fechado.


Desde o início da pandemia do novo coronavírus, a corrida pela fabricação e aquisição de máscaras só aumenta. Máscaras cirúrgicas e máscaras N95 estão escassas no mercado no mundo todo. Tendo esse cenário por base, o Ministério da Saúde passou a orientar o uso de máscaras de pano para quando as pessoas realmente precisarem sair de casa.

Devido à escassez no mercado, as máscaras cirúrgicas e N95 devem ser reservadas preferencialmente para pacientes com COVID-19 confirmada e para profissionais da saúde.

As pessoas em geral, porém, precisam se proteger. O Ministério da Saúde passou a recomendar, desde a quinta-feira, 2 de abril, que a população utilize máscaras quando precisar sair de casa. Nesse caso, são recomendadas as máscaras de pano, já que as demais devem ser utilizadas por profissionais de saúde e pessoas diagnosticadas com o novo coronavírus. 

Especialistas concordam que elas criam uma barreira física que segura a emissão de gotículas enquanto a pessoa fala, tosse ou simplesmente respira. Assim, a máscara de pano ajuda a reduzir a propagação viral de pessoas assintomáticas e auxilia na proteção de quem está ao seu redor. Quanto mais pessoas usarem corretamente, menos o vírus se espalha.

Contudo, a recomendação de uso não substitui a orientação de distanciamento físico e de lavar as mãos várias vezes ao dia. É uma recomendação a mais. A máscara de pano é apenas uma alternativa para reduzir o impacto de saídas extremamente necessárias.

Para formar uma barreira eficaz contra a emissão de gotículas, é importante que a máscara tenha pelo menos duas camadas de tecido. 

Segundo o Ministério da Saúde, as máscaras caseiras podem ser feitas em tecido de algodão, tricoline, TNT ou outros tecidos, desde que utilizadas e higienizadas corretamente.

O importante é que a máscara seja feita nas medidas corretas cobrindo totalmente a boca e o nariz e que estejam bem ajustadas ao rosto com elásticos ou fitas atrás das orelhas ou na nuca, sem deixar espaços nas laterais. 

No site do Ministério, existe um passo a passo para reutilizar camisetas. A Universidade Federação de Santa Catarina também ensina aqui.

Além desses, diversos modelos de máscaras estão disponíveis na internet. O Ministério da Saúde endossou a iniciativa #Masks4All (Máscaras para todos, em tradução livre), que apresenta modelos com diferentes níveis de complexidade, como você pode verificar no link.


Como usar e higienizar a máscara de tecido

A máscara caseira é uma solução paliativa que, para ter sua eficácia aumentada, precisa de alguns cuidados importantes:

- A máscara de tecido tem efetividade por até 2 horas de uso, devendo ser trocada depois desse período devido à umidade natural produzida pela própria respiração

- Use a máscara sempre que precisar sair de casa. Saia sempre com pelo menos uma reserva e leve uma sacola para guardar a máscara suja, quando precisar trocar

- A máscara é individual, não podendo ser compartilhada. O ideal é que cada membro da família tenha pelo menos duas para quando precisar sair

- Certifique-se de que não está entrando ar por frestas laterais, superiores ou inferiores; óculos ou até mesmo esparadrapo podem ajudar na fixação no nariz

- Chegando em casa, retire sapatos, lave bem as mãos e só então retire a máscara 

- Remova a máscara pegando pelo elástico ou laço da parte traseira, evitando tocar na parte da frente – que pode estar contaminada 

- Faça a imersão da máscara em recipiente com água potável e água sanitária (2,0 a 2,5%) por 30 minutos. A proporção de diluição a ser utilizada é de 1 parte de água sanitária para 50 partes de água (por exemplo: 10 ml de água sanitária para 500 ml de água potável) 

- Lave a máscara usando água e sabão e faça o enxágue em água corrente

- Deixe secar bem. Em seguida, passe ferro quente e guarde em saco plástico limpo para a próxima utilização 

- A máscara não pode ser utilizada úmida ou suja

- Se notar desgaste no tecido, descarte

- Antes de todos os procedimentos com a máscara – estender, recolher, passar, guardar, colocar – lave bem as mãos 

Seguindo as orientações de distanciamento físico, higienização das mãos e uso desse tipo de máscaras quando houver necessidade de sair, protegemos a nós mesmos, as pessoas ao redor e os profissionais de saúde que estão na linha de frente dessa batalha. 


Texto: Agência Babushka | Edição e Revisão: Unimed do Brasil

Fonte: Ministério da Saúde, Masks4all, UFSC

Conteúdo aprovado pelo responsável técnico-científico do Portal Unimed.


Comentários