Loading…
teste

“O amor vem aos poucos” Letícia Padilha compartilha sua experiência sobre amamentação

Em bate-papo, fotógrafa londrinense conta como está sendo sua vivência com a amamentação; confira abaixo

Lola chegou no dia 13 de junho deste ano e logo sua mãe, Leticia Padilha Garcia de Oliveira, 30, a colocou em seu peito. Primeiro ato que muitas mães fazem, a amamentação é muito mais que simplesmente dar alimento ao recém-nascido. É um canal complexo no qual a mãe transmite ao seu filho ferramentas essenciais para sua sobrevivência. Todos esses benefícios para a saúde do bebê fazem com que a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomende, de forma exclusiva, a amamentação durante os primeiros seis meses de vida. Fotógrafa há 14 anos, Padilha é apaixonada pelo trabalho - se destaca no ramo da fotografia de gestante, infantil, família e ensaios em geral. Casada há quatro anos com Rui Barboza Mendes Oliveira, eles compartilham nas redes sociais os momentos marcantes que tiveram desde o anúncio de nascimento de Lola até a rotina de cuidados e amamentação da pequena. “Tive vários aprendizados, várias dúvidas, várias inseguranças, vários medos, umas porradas de lições e infinitos surtos de amor”, comentou em sua rede social.

Golden hour 

A primeira hora de vida do bebê é chamada de golden hour. Amamentar durante esse momento é essencial não somente para o filho, mas também para a mãe, pois o reflexo de sucção do bebê está mais intenso, tornando mais fácil estabelecer uma pega correta, por exemplo. Além disso, estudos comprovam que o aleitamento materno na primeira hora de vida é fundamental para a saúde do bebê, pois funciona como uma proteção natural contra doenças e infecções e ajuda a formar o sistema imunológico. “Logo que ela [Lola] nascesse, eu queria muito que viesse para o meu peito. Para que ela tivesse esse primeiro momento junto com a gente, ficar pele e pele, mamar, reconhecer o cheiro e ter o direito de ficar do nosso lado”, detalha Padilha. Este contato e o aconchego da mãe ajudam o bebê nessa transição do útero para ao mundo. Para a fotógrafa, foi exatamente o que aconteceu: “ela nasceu de parto normal e logo já veio pro meu peito”.

Mudanças na rotina

A amamentação, apesar de ser algo natural, não é uma prática automática,  causa muita dúvida e gera insegurança, principalmente para mamães de primeira viagem. Para a fotógrafa, a “amamentação não é algo fácil. Por mais que a gente se prepare, é muita doação. Além do tempo sentada é preciso  abrir mão do sono, para estar ali alimentando”, completa. Segundo Padilha, não devemos romantizar a maternidade ou a amamentação. Ela exige, aprendizado, paciência e apoio familiar. É importante frisar a participação do pai nesse momento, para que a mãe consiga se dedicar ao vínculo estabelecido com o bebê durante o aleitamento materno. “Para mim está sendo muito especial ter meu marido em casa nesse começo e poder dividir a maternidade junto com ele”, afirma.

Maternidade e amamentação

Por conta do momento em que está vivendo, Letícia está participando da campanha da Unimed Londrina em prol da amamentação. Sobre este assunto, ela acredita que, cada mãe constrói um momento único de interação com o seu filho - conhecer a própria realidade é algo que a mãe de Lola ressalta na iniciativa da Unimed : “Para cada mulher, a maternidade é de um jeito. Cada uma vive um processo individual entre mãe e filho e ela vai buscar o melhor dentro da realidade da sua família”. “Para mim, a maternidade chegou de uma forma muito transformadora e está totalmente ligada a aceitar que é um processo que muda a gente como pessoa”, continua, “e a amamentação está muito ligada a isso - a gente se prepara tanto para o parto e esquece dos desafios da amamentação: de pesquisar, a importância disso para o bebê e também para a mãe”, reitera. Padilha reforça também que há muitas mães que não conseguem amamentar seus filhos, às vezes por falta de informação ou outras dificuldades. “Eu valorizo muito a amamentação e temos que incentivar outras mulheres a amamentarem, mas também é importante entender a realidade de mulheres  que, infelizmente, não possuem o mesmo privilégio”, conclui. 

Serviços

A Unimed Londrina conta com uma equipe de profissionais que oferece atendimento de enfermagem para mães com dificuldades de amamentar. O Programa de Aleitamento Materno orienta as mamães sobre as vantagens da amamentação, da pega correta e também intervém em problemas que podem ser precoces ou tardios. O atendimento é gratuito para clientes Unimed Londrina que possuem o opcional obstetrícia e deve ser agendado pelo telefone (43) 3375-6016. Quer saber mais sobre dicas com os primeiros cuidados do bebê? Clique aqui para baixar nossa Cartilha do Bebê Compartilhe nos comentários abaixo se curtiu nossa conversa com a fotógrafa Letícia Padilha!

Leia mais: Mitos e verdades da amamentação


Comentários